Série Deserto do Atacama – Passeio às lagunas altiplânicas Miscanti e Miñiques 12



Lagunas altiplanicas e Vulcão Miscanti, com seus 5.622 metros de altitude

Vou falar aqui do passeio que fizemos às lagunas Miscanti e Miñiques. O lugar está a 4.200 metros acima do nível do mar. Como faziam três dias que estávamos em San Pedro de Atacama (2.300m), julgamo-nos suficientemente aclimatados à altitude e resolvemos nos aventurar pela primeira vez acima dos 4.000 metros. Na foto acima, a Laguna Miscanti e o Vulcão de mesmo nome, com seus 5.622 metros de altitude.

Esse passeio você pode contratar nas agências de turismo em San Pedro de Atacama. Nós estávamos com nosso próprio carro, e por isso o fizemos por conta própria. A maior parte do trajeto é feita pela estrada RN 23, em boas condições:

Os primeiros quilômetros na RN23 são de deserto… pelo caminho nos deparamos com montanhas retorcidas muito estranhas.

Observe nossa roupa. Até aqui, dá para ficar tranquilamente de camiseta. Estamos a  2.500 metros em relação ao nível do mar, são por volta de 13:00h e estamos em pleno inverno no deserto de Atacama. Mas isso vai mudar…

Faltando 30 quilômetros para chegar às lagunas, fica o vilarejo de Sacaire (3.400 metros de altitude). Na foto abaixo, uma senhora pastoreando ovelhas com a ajuda de seu cão.

Após Socaire já é perceptível uma mudança na paisagem. Esse é o caminho do passo de Sico, fronteira Chile – Argentina. O acesso às lagunas altiplanicas fica um pouco antes disso, ainda em território chileno.

Estrada de ripio - acesso às Lagunas altiplanicas Miscanti e Miñiques - deserto do Atacama

Um capim amarelo, típico de altitude, começa a aparecer.

as belas pastagens amarelas de altitude - paisagem altiplanica - deserto do Atacama

Lagunas Miscanti y Míñiques: you have arrived!

Chegamos!

A paisagem agora é bem diferente. Estamos a 4.200 metros em relação ao nível do mar, em pleno deserto do Atacama. Apesar das condições inóspitas à vida – vou falar delas mais adiante, algumas espécies habitam o lugar. Segundo o folder oficial, frequentam a região o pato Blanquillo, pato Juarjual, raposa Culpeo, gaivota Andina e Vicuña. Não vimos nenhum desses bichos.

As lagunas também são área de reprodução do Wári, uma espécie de ave que se encontra protegida pela lei 19.473 chilena – proteção de espécie em categoria vulnerável. Por esse motivo só pudemos visitar a Laguna Miscanti. A Miñiques tinha ninhos do Wári, e era necessário manter distância.

Fomos em pleno inverno, no final de agosto. A blusa vermelha que estamos usando é adequada para ski, portanto aguenta zero grau numa boa e é corta vento. A minha era da North Face, e a da Erika da Mammut. Apesar disso, sentimos frio, muito frio!! Lembram daquela foto que estávamos de camiseta? Ehh, o tempo mudou completamente!

Mas o problema não foi a blusa, porque ela deu conta do recado. Foi o vento. Ventava muito, mas muito forte!! E todas as partes do corpo expostas a esse vento de zero grau – mãos, rosto e pernas, devido às nossas calças inadequadas (!) – não conseguiam ficar muito tempo ao ar livre, digo, vento livre…

Ok. Fomos de calça jeans, um erro. Agora, que calça colocar? isso é um problema neste tipo de passeio, em que você alterna entre verão e inverno em menos de duas horas. Nas fotos do início do post estávamos só de camiseta.

A blusa de frio corta vento a gente tira e coloca conforme a necessidade. Agora a calça fica mais complicado. E não dá para sair de San Pedro de Atacama com uma calça de esqui… você vai derreter.

Ajuda muito colocar uma segunda pele por baixo da calça. Nós não fizemos isso neste dia, daí o desconforto…

O local acima é o final da trilha de acesso à laguna Miscanti. Mas não deu para ficar aí por muito tempo… estava um vento gelado de matar!!

Fotografar nestas condições era um sofrimento, era só tirar a luva… e os dedos congelavam! E o rosto então, esse ficava sempre exposto… Já viu aqueles documentários da BBC, onde os pinguins da Antartida estão a enfrentar uma ventania desgraçada ? Nós nos sentimos assim… olha nossa cara de pinguim desesperado!

Mas o lugar vale cada rajada desse vento congelante… simplesmente fantástico!!

A foto acima é uma das minhas preferidas, foi tirada pela Erika. Minha mão já estava dura, já não clicava em mais nada. Achamos prudente voltar para o carro…

Estrada dentro da reserva nacional Los Flamencos - Lagunas Miscanti e Miñiques

Agora sim, chega de vento! Protegidos dentro da Cherokee, continuamos o passeio…

capim amarelo de altitude - deserto do Atacama

A vegetação nessa altitude se resume a esse belo carpete de “pomponzinhos” amarelos. Essa pastagem está por toda a parte…

Chamam-se pajonales – gêneros Stipa e Festuca, segundo o folder oficial do lugar.

O folder você recebe na portaria – marquei com um guardinha no mapa abaixo. Aí você pagará a taxa de visitação. A laguna Miscanti é a maior, e a Miñiques a menor. Para ver todo o trajeto, partindo de San Pedro de Atacama, diminua o zoom do mapa (botão “-”).


O mapa acima é interativo. Você pode clicar nos símbolos, aumentar ou diminuir o zoom, etc.

Ahh, um detalhe sobre banheiro no local: pedimos à funcionária da guarita para usá-lo, mas ela não permitiu, porque era de uso privativo dos funcionários, ou seja, dela – já que ela era a única alma viva por alí.

Bom, não teve jeito… mais à frente fizemos um pit stop para regar as plantinhas. E como o capim é todo amarelo, acho que não teve problema…

Bom, infelizmente nosso tempo chegou ao fim. Nos despedimos do lugar…

Linda paisagem de altitude - pastagens amarelas - deserto do Atacama

… e voltamos para San Pedro de Atacama.

Espero que tenham gostado, porque nós gostamos bastante.

Próximo post da série: O Vale da Morte!

Se quiser encontrar os melhores preços de hotéis e reservar, pesquise em nosso parceiro, Booking.com:

Booking.com

Até a próxima Trip!!


 

 

 

Promoção de Hotéis:

Ao efetuar sua reserva de hotel em nosso parceiro Booking.com, ganhamos uma pequena comissão – você não paga nada mais por isso e ainda ajuda nosso blog a se manter sempre atualizado e com novidades.

Booking.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 pensamentos em “Série Deserto do Atacama – Passeio às lagunas altiplânicas Miscanti e Miñiques

  • ana

    Parabéns! Estou indo dia 19 de janeiro para o Atacama. Vou de avião para Calema. Vc acha que vale a pena alugar um carro em Calema para o Atacama e fazer os passeios por conta propria? É seguro? Muito grata!

    • Gustavo Autor do post

      Ana, acho uma boa ideia, isso te dará maior liberdade. Nós fomos com nosso próprio carro, desde São Paulo, e nos sentimos bastante seguros por todas as regiões do Atacama que passamos. Mas não se esqueça que a segurança também depende de você. Nós cortamos, por exemplo, o passeio até o salar de Uyuni, porque iríamos só eu e Erika, e se o sal molhado do salar atacasse a bateria do carro, teríamos que dormir num deserto cujas temperaturas à noite são algumas dezenas de graus abaixo de zero. Também não fomos com nosso carro até os geisers porque teríamos que dirigir de madrugada por um caminho desconhecido. Todos os demais passeios fizemos com nosso próprio carro, foram todos muito tranquilos, como você deve ter lido em nossos posts. Boa trip!

  • Miguel Jeronymo Filho

    Fiz uma observação da laguna Miscanti pelo Google Earth: em qualquer ponto sobre ela a altitude permanece a mesma (4.148 m) com rarissima variação. O mesmo não acontece em nenhum outro lugar como a laguna Minhiques ou as terras próximas por exemplo. Fiquei fascinado pelas imagens. Parabéns. Obs. sou professor de Geografia.

  • Beto

    Olá, obrigado pelo relato.
    Ano passado cruzei a bolívia de ônibus até o Uyuni, de onde parti em expedição pelo salar e pelos desertos de dalí, siloli, e parque avaroa, cruzando a fronteira até san pedro.
    Estou indo novamente, dessa vez com mulher e filhas, para santiago, de onde pretendo alugar um carro e subir até o atacama.
    Gosto muito da liberdade de se fazer roteiros por conta própria mas tenho dúvida quanto à essa região do atacama. A parte da bollívia, que conheço bem, só faria com uma estrutura muito bem preparada e em comboio.
    E quanto aos esses passeios do atacama. Dá pra fazer sozinho mesmo? É realmente necessário carro traçado/alto?
    Muito obrigado,
    Beto
    Brasília

    • Gustavo Autor do post

      Beto, muitos passeios não requerem 4×4 ou veículo alto, detalhes nos posts. Veja meu comentário para a Ana neste post e outros comentários sobre este assunto em outros posts do Atacama. Obrigado pela audiência e boa trip!

  • Claudia Longhi

    Adorei os post de voces sobre Deserto do Atacama. Nos deu segurança para fazer de carro, conforme a vontade do meu marido com excessao dos passeios que sai de madrugada. Vamos em julho.

  • Camilla Murta Itacaramby

    Boa noite! Obrigada pelos relatos, eles nos ajudam muito no planejamento.

    Vamos passar pelo Atacama e ficaremo apenas um dia. Pretendemos ir às Lagunas Altiplânicas em carro próprio. A sinalização é boa? Você indicaria algum outro passeio após as Lagunas, no mesmo dia, que pudéssemos ir em carro próprio também?

    Muito obrigada,

    Camilla

  • Eduardo Rodrigues

    Realmente vocês estão de parabéns pela aventura e pelas imagens maravilhosas. Estaremos em Santiago logo,logo … quem sabe (Atacama)?!

  • Marcia Picorallo

    Oi, Gustavo! Pesquisei vários blogs e a maioria faz os passeios com agências, por isso nem cogitei de alugar carro e fazer por conta, o que prefiro sempre. O que vestir lá é um problema, mesmo, principalmente as calças, né? Acho que vou levar as calças de esqui na mochila e colocar se estiver frio. Porque segunda pele e jeans por cima vão cozinhar, assar e marinar tudo! rsrsrs

    Te convido a visitar daqui umas semanas meu blog (http://mulhercasadaviaja.com) para ver os relatos do Atacama. Chego lá nesta sexta-feira, uhu!