Série Pantanal – Pousada Pequi 2



O dia já estava terminando quando chegamos na pousada Pequi. Vínhamos da San Francisco, de onde saímos após o almoço. São cerca de 140km, e tivemos que percorrê-los bem devagar, pois nosso carro estava sem um dos amortecedores. Para piorar, a BR-262 estava com muitas ondulações, que deixava o carro instável acima de 60 km/h. Além disso, os últimos 40 km até a Pequi são de terra,  com muitas curvas e “costelas de vaca” – não dava para passar dos 50km/h.

Enfim, chegamos no final da tarde na fazenda Pequi, e logo fizemos um safari fotográfico. Esse passeio foi bem legal, primeiro porque foi exclusivo para nós – no caminhãozinho do safari estávamos só eu, minha esposa, o dono da pousada dirigindo e um ajudante dele, sempre muito atencioso e prestativo. Segundo porque vimos bem de perto muitos bichos, dentre eles um tamanduá mirim. Olha ele aí, com os braços abertos, fazendo pose em forma de cruz (ele fica assim quando se sente ameaçado):

Tamanduá mirim visto na pousada Pequi - Pantanal/Aquidauana

Sempre que víamos um bicho eles paravam o caminhão para tirarmos algumas fotos. Em alguns casos, chegávamos a descer do veículo para fotografar mais de perto – e esse é um diferencial bem legal da fazenda  Pequi. E quando vimos jacarés, não só descemos, mas demos comida para eles e eu ainda pude segurar um deles pelo rabo pela segunda vez – a primeira foi na BR-262.

jacarés vistos no safari fotográfico da Pousada Pequi - Pantanal/Aquidauana

Vimos também coatis, tuiuius e araras azul – há muitas delas por lá.

Araras Azul vistas no safari fotográfico da Pousada Pequi - Pantanal/Aquidauana

Abaixo o caminhãozinho da Pequi, tão legal quanto o da fazenda San Francisco:

Caminhão do safari fotográfico - Pousada Pequi - Pantanal/Aquidauana

O segundo passeio que fizemos foi uma focagem noturna no rio Aquidauana. O guia – muito gente boa, a exemplo de todos na Pequi – achou ninho com filhotes de jacarés e nos deu um para segurar nas mãos! Foi bem legal. O vídeo é bem engraçado, mas esse não vou mostrar aqui, senão minha esposa me mata – ela aparece pagando mico, pois ficou apavorada quando o filhote de jacaré veio pra dentro do barco!

Em um certo momento do passeio, o motor do barco é desligado. A luz também. Como não se vê muita coisa, sua atenção fica toda voltada à audição. Descemos o rio Aquidauana, levados pela correnteza, escutando aquele silêncio mortal, por vezes interrompido pelo barulho de algum bicho – um deles o esturro de uma onça parda, segundo nosso guia. É uma experiência muito bacana.

O último passeio que fizemos foi uma caminhada ecológica pela mata ciliar do rio Aquidauana. Nessa caminhada você não vai ver tantos bichos quanto no safari fotográfico, mas a sensação de se caminhar por dentro da mata é o grande atrativo desse passeio.

Ficamos bastante atentos no início, sempre na expectativa de ver algum bicho. Com o tempo, como eles não apareciam, fomos relaxando a guarda… até que, do nada, um vulto sai correndo bem do nosso lado, fazendo um puta barulho! Foi tão rápido que não deu pra ver o que era… quase morremos do coração! Para completar, minutos antes o guia nos falava de uma onça, e sobre como ela tinha abatido uma anta a alguns metros dali… pronto, achamos que era a onça e que ela iria nos matar! Por sorte, foi apenas um porco do mato assustado com a nossa presença.

No meio da trilha, tivemos que atravessar essa ponte suspensa:

caminhada ecológica pela mata ciliar do rio Aquidauana - Pousada Pequi - Pantanal

Ao final da trilha, vimos um veadinho:

veado - mata ciliar do rio Aquidauana - Pantanal

As aves abaixo fotografamos na sede da fazenda Pequi. Primeiro, um casal de tucanos:

casal de tucanos - Pousada Pequi - Aquidauana - Pantanal

Uma arara Canindé:

Arara canindé - Pousada Pequi - Aquidauana - Pantanal

Um grupo de araras azul:

revoada de araras azul - Pousada Pequi - Aquidauana - Pantanal

Bom é isso! Ficamos hospedados na pousada Pequi por duas noites, e gostamos muito dela. O diferencial deste lugar – na minha opinião e de minha esposa – está no tratamento mais “familiar” que recebemos. São os próprios donos da Fazenda Pequi que cuidam do negócio – eles inclusive dizem isso no site deles, e comprovamos ser verdade. Na Pequi tivemos também um contato mais próximo com a natureza. Isso aconteceu em todos os passeios que fizemos.

Com esse post, encerro a série Pantanal. Espero que tenham gostado.

Até á proxima trip!

OBS: deixo abaixo um mapa com a localização da Pousada Pequi e o caminho que fizemos para chegar até lá.


O mapa do google acima é interativo. Você pode clicar nos símbolos, dar zoom, etc.


 

 

 

Promoção de Hotéis:

Ao efetuar sua reserva de hotel em nosso parceiro Booking.com, ganhamos uma pequena comissão – você não paga nada mais por isso e ainda ajuda nosso blog a se manter sempre atualizado e com novidades.

Booking.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Série Pantanal – Pousada Pequi

  • Paloma Balboa

    Ola, boa tarde. Vou viajar para o pantanal em julho, e gostaria de ter maiores informacoes sobre a fazenda pequi. Se vale mesmo a pena ficar la, ou na fazenda santa sao francisco?! Se tem muita diferenca entre uma e outra. Por que na sao francisco eu sei que da para alimentar os jacares, tem muitos papagaios que ate vem na mao se alimentar. Entre outras coisas. Aguardo contato. Grata paloma

    • Gustavo Autor do post

      Olá Paloma,
      Qual fazenda “vale a pena” depende muito do gosto de cada um. Para mim, alimentar papagaios na mão não é um atrativo, porque me interessa a natureza selvagem, e papagaios selvagens nunca pousam na mão. Mas gosto é gosto. Quanto as diferenças entre cada uma, sugiro ler os posts de cada fazenda aqui no site e compará-los. Tente identificar as características que mais lhe agradam. De qualquer forma, pela nossa experiência, o atendimento em ambas as fazendas foi excelente.